Meu filho está fumando: o que fazer e como lidar com a situação?

adolescente fumando para ilustrar a pergunta ‘meu filho está fumando, o que fazer?’

Aprenda a melhor maneira de tirar seu filho das drogas

No Brasil, o problema com o uso de psicoativos é um frequente. Por conta da baixa fiscalização em comércios e a grande dominância do tráfico de drogas, esses produtos são de fácil acesso, inclusive para adolescentes. 

Observando esse problema frequente, não é difícil encontrar pais notando mudanças de comportamento nos filhos e se perguntando: meu filho está fumando, o que fazer? Pensando nisso trouxemos um guia para que você identifique e ajude o adolescente nessa situação, acompanhe!

Drogas na adolescência

A adolescência é um período de alto desenvolvimento físico e psicológico na vida de uma pessoa. 

É justamente nessa fase que ocorre uma grande liberação de hormônios ao jovem, trazendo problemas como imprudência, falta de bom senso e explosões emocionais. Segundo a OMS, estima-se que cerca 100 mil adolescentes sejam fumantes

Essas reações deixam os jovens mais suscetíveis a influências, rebeldias, descaso e curiosidades. O que pode acarretar maus hábitos, como o uso de cigarros de maconha e nicotina.

Essas reações deixam os pais totalmente preocupados e com uma grande dúvida: o que fazer se meu filho está fumando? Como lidar com a situação?

A mente jovem não está preparada para receber grandes doses de psicoativos, o que pode facilmente se transformar em um vício e causar problemas futuros, como:

  • diminuição na interação social;
  • mau desenvolvimento da memória;
  • queda no rendimento escolar;
  • dependência química;
  • problemas de saúde mental, como a depressão e ansiedade;
  • aumento nas chances de desenvolver uma doença mental, como a esquizofrenia por exemplo.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2016, o número de jovens que tiveram contato com drogas ilícitas foi de 236,8 mil. E com o passar dos anos esses números crescem cada vez mais. 

Como saber se seu filho está fumando?

Quando se tem um filho fumante, novos hábitos e comportamentos aparecem, e decifrá-los é a peça fundamental para descobrir se, de fato, há um vício. Por isso, fique atento aos seguintes sinais.

Mudanças repentinas de humor

mulher olhando para baixo e cobrindo os olhos com a mão

A mente adolescente não está preparada para lidar com os psicoativos, então fica mais fácil provocar uma dependência química ao jovem. Portanto, quando surgir a vontade de fumar, ele sofrerá uma repentina alteração em seu humor até que sacie sua vontade.

Além disso, é comum que logo após o uso da droga o humor do adolescente melhore incomumente. Então, variações súbitas de humor, tanto negativas quanto positivas, são um primeiro sinal de que pode estar acontecendo algo.   

É válido lembrar que essas variações de humor também são mudanças típicas da adolescência. Porém, o jovem viciado apresenta grande hiperatividade, insônia e principalmente manias de levar objetos até a boca, como uma caneta ou um plástico qualquer.

Desculpas frequentes para sair de casa

Para sustentar seu vício, o adolescente fumante tende a inventar algumas histórias para sair de casa rapidamente e “voltar em 1 hora”, por exemplo. Isso pode ser um grande indicativo que seu filho esteja saindo somente para fumar.

Também existem adolescentes que passam mais tempo fora do que dentro de casa. Essas “saídas”, se não fizerem sentido para a rotina e obrigações do jovem, têm forte indicação de que o adolescente está aprontando longe dos pais.

Mesmo sabendo que os adolescentes adoram passar um tempo fora de casa, não é normal a grande necessidade de sair todos os dias. Observe a reação dele quando você não deixá-lo sair, se o jovem ficar altamente explosivo, desconfie!

Leia também: Como agir no caso de desaparecimento de adolescentes

Maior privacidade em seu quarto

O adolescente que repentinamente começou a se trancar no quarto e exigir mais privacidade em seu território, pode estar escondendo algo. Se você suspeita dessa atitude, busque por evidências dentro do quarto, como:

  • janelas abertas a noite, mesmo durante o frio;
  • cinzas no chão;
  • produtos relacionados com esse hábito, como isqueiros, cigarros, sedas e dichavadores.
  • cheiro estranho no quarto;
  • utilização de ventilador mesmo em épocas menos quentes.

Se o adolescente insistir em fazer a limpeza do próprio quarto todas as vezes, sendo que esse comportamento não é típico dele, suspeite. Ele pode ter algum esconderijo para os seus artigos de fumo.

Inversão de horários

Em alguns casos, inconscientemente os jovens fumantes invertem seu horário biológico. Geralmente, esse comportamento se dá por conta da abstinência do cigarro antes de dormir ou até mesmo para evitar contato com seus pais ou irmãos dentro de casa.

Aumento ou diminuição do apetite

Quando o jovem ingere altas doses de nicotina ou outras substâncias tóxicas, o organismo se desregula. Isso faz com que o adolescente apresente um aumento ou diminuição do apetite, assim como mal-estares e dores de cabeça.

Gastos de dinheiro sem explicação

Se o adolescente apresentar gastos excessivos e sem retorno, suspeite! Um caso frequentemente relatado é quando o jovem pede dinheiro para comer um lanche com os amigos e acaba voltando para casa com fome.

Isso é um forte indício de que ele está usando o dinheiro para comprar o fumo. Portanto, procure provas dos produtos que ele está consumindo, como recibos, fotos, valor do troco etc.

Desleixo com a saúde e aparência

Se seu filho apresentar falta de interesse em escovar os dentes, pentear o cabelo, cortar unhas e coisas relacionadas, tome cuidado. As drogas em contato com o organismo jovem viciam rapidamente, fazendo com que sua única preocupação seja consumi-la, deixando os outros afazeres para trás.

Cheiro diferente

Seja nas roupas, mãos, cabelos ou boca, o cheiro do cigarro impregna. Preste atenção, ainda, a técnicas comuns que adolescentes podem adotar para tentar camuflar o cheiro de cigarro:

  • escovação de dentes mais frequente do que o normal;
  • mascar chicletes com frequência excessiva, principalmente aqueles que têm maior impacto no hálito — o mesmo vale se o jovem começar a consumir balas de hortelã, halls ou outras variedades;
  • utilização de perfumes, shampoos e sabonetes com cheiro mais forte: quando não há tempo para camuflar o cheiro, os fumantes podem optar por tentar acrescentar algo com um cheiro mais forte, como perfumes; 
  • adoção de incensos, velas ou outras substâncias aromáticas no quarto: se isso não for algo que seu filho costumava fazer e, de repente, começou, avalie se não há algum motivo por trás, como a tentativa de ocultar o cheiro de cigarro do quarto.

É importante destacar que quem fuma não sente tanto o cheiro quanto um não fumante, portanto, utilize essa vantagem e repare em mudanças nesse sentido.

Mudança brusca no círculo de amizades

Adolescente abraçando os joelhos e cabisbaixo em uma cabana abandonada, com um cachorro ao lado

Se seu filho trocou totalmente o círculo de amizades sem motivo aparente, você pode suspeitar do envolvimento com drogas. A juventude é facilmente influenciada, e os adolescentes fumantes são vistos como descolados. 

Pergunte a ele o que levou a troca repentina nas amizades e se tem algo o incomodando. Isso trará uma interação entre pai e filho, além de aumentar as chances dele apresentar os novos amigos a vocês.

O que fazer se seu filho está usando drogas?

Nesse caso, a proibição de sair de casa ou adoção de outras punições radicais agravarão o caso. Sentimentos de frustração, raiva e rancor podem afastar vocês, tornando impossível a recuperação do seu filho por meio do diálogo.

Procure conversar com o adolescente e apontar os malefícios do uso de tóxicos. Essa conversa deve ser feita na tranquilidade, respeitando as opiniões do seu filho e não oprimindo-o.

Encorajá-lo a largar o vício também é algo que deve ser dito frequentemente. Mostre para o jovem como ele é uma pessoa boa e não precisa de entorpecentes para se divertir ou até mesmo formar ciclos de amizade.

Tente entender quais os motivos que levam o adolecente a utilizar a droga. Em alguns casos, o jovem só quer chamar a sua atenção, portanto evite argumentos como “Você não sabe o que está fazendo”, isso piorará a situação.

Se o único meio do adolecente conseguir dinheiro são pelos pais, limite esse valor. Quando houver a necessidade de liberar algum trocado, peça-lhe provas de que determinado produto foi comprado.

Apresente caminhos diferentes ao jovem, como o esporte, cursos profissionalizantes, religiões ou até mesmo novos tipos de entretenimento. Essas atividades são essenciais para distrair a mente do adolescente.

Reforce a ideia que você o ama e sempre estará do lado dele. Essas tratativas com carinho, atenção e amor são cruciais para que ele entenda que esse problema não precisa ser resolvido sozinho.

Você pode convidá-lo a conversar com um psicólogo para apontar problemas mal resolvidos e trabalhar o aspecto da saúde mental. Essa é uma solução saudável que reforça até mesmo a relação entre você e seu filho.

A internação compulsória é uma medida radical, e somente deve ser feita em casos extremos de abuso de entorpecentes. Além disso, é recomendável contar com o auxílio de um psicólogo ou psiquiatra antes de caminhar por essa rota. Opte sempre pelo diálogo, essa é a melhor opção de como tirar o seu filho do mundo das drogas.

Agora que você tem mais ferramentas para o caso de se perguntar “meu filho está fumando, o que fazer?”. Mas, ainda assim, pode ser muito difícil saber quando desconfiar dos comportamentos dos filhos adolescentes, principalmente porque é um período marcado por muitas alterações hormonais.

Está nessa situação e precisa de ajuda? Contrate um detetive particular especializado em investigação de adolescentes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco pelo WhatsApp