Autor: Fabrício

Compartilhe

Conheça tudo sobre investigação virtual: quando solicitar uma, como é feita, como se tornar um detetive particular

Será que seu filho fala com alguém mal-intencionado na internet? Será que seu cônjuge troca mensagens privadas com outras pessoas pelas redes sociais? Essas são algumas das perguntas que um detetive particular virtual saberia responder!

Detetive é o profissional responsável por detectar um fato, pilhar, investigar, desmascarar circunstâncias e pessoas nelas envolvidas.

Como termo policial, detetive é aquele que investiga fatos, suas circunstâncias e as pessoas neles envolvidas. Um detetive é um investigador, e pode ser membro da polícia ou autônomo (particular).

Detetives autônomos operam comercialmente e são licenciados. Com o crescimento do universo virtual, que já não separamos do universo real, o serviço de detetives particulares virtuais não para de aumentar. 

O trabalho de um detetive para investigação virtual é mais complexo do que pode parecer em um primeiro momento. As ferramentas e as estratégias utilizadas devem levar em consideração as particularidades da internet, o que torna a atuação do detetive ainda mais complexa.

Confira a seguir como atua um detetive para investigação online.

foto de uma pessoa de roupas inteiramente pretas sentada uma mesa usando um laptop também da cor preta

Veja também: Dicas para descobrir traição na internet

Como é feita uma investigação virtual?

O detetive que faz investigações virtuais lida com uma série de informações. Considerando que a população brasileira é a terceira que mais passa seu tempo na internet no mundo, ultrapassando a marca de nove horas diárias, o desafio do detetive é coletar esses dados com precisão e abrangência.

Portanto, a função do detetive para investigação online é filtrar as informações levantadas para entender a maneira como o investigado age na internet. Para isso, o detetive particular examina todos os canais que uma pessoa utiliza para se conectar, tais como:

– E-mail;

– Redes sociais;

– Computadores;

– Celulares.

Quando contratar um detetive para uma investigação virtual?

A internet abriu várias portas, tanto para o bem (com a possibilidade de encontrar antigos amigos, por exemplo) quanto para o mal (com a aproximação de pessoas mal-intencionadas). Sendo assim, no universo digital existem diversas maneiras de ser vítima ou acusado de algum delito.

Algumas das situações que podem requisitar um detetive para investigação virtual são:

– Crimes de ódio: quando alguém recebe ofensas na internet por conta da sua religião, etnia ou orientação sexual.

– Infidelidade conjugal: quando o parceiro troca mensagens de texto, áudio ou vídeos com outras pessoas tendo a intenção de manter um caso extraconjugal.

– Falsidade ideológica: quando alguém se passa por você ou por algum familiar na internet, na maioria das vezes, criando um perfil fake.

– Bullying: quando seu filho é alvo de comentários vexatórios e perseguição on-line.

– Roubo de informações: quando as senhas de e-mails ou de redes sociais são furtadas.

– Invasão de máquina: quando um vírus é instalado por engano permitindo que outra pessoa controle remotamente o computador da vítima, podendo, inclusive acessar a webcam do equipamento.

– Calúnia, difamação e injúria: quando uma pessoa é acusada injustamente por algo ou se vê diante de uma situação que possa ferir sua reputação.

Quais ferramentas podem ser utilizadas em uma investigação virtual?

Um dos fatores que o detetive para investigação virtual tem em mente ao realizar seu trabalho é a cautela. Isso é reforçado no ambiente digital porque, caso não haja um cuidado extra com os rastros deixados na internet, existe a possibilidade de o investigado perceber que está sendo observado e fugir sem deixar vestígios.

Por isso, a atuação do detetive para investigação virtual envolve o uso de recursos tecnológicos avançados para garantir a eficácia da apuração.

Nos casos de investigação por suspeita de infidelidade, por exemplo, um dos recursos utilizados é a instalação de softwares espiões no computador do investigado. Assim, o detetive particular consegue rastrear conversas suspeitas em redes sociais ou em sites para marcação de encontros como, por exemplo, no Ashley Madison.

Outro método que também auxilia o trabalho do detetive para investigação virtual é o uso de softwares voltados para o monitoramento do celular, sobretudo aqueles que analisam as mensagens trocadas pelo WhatsApp.

O avanço da tecnologia proporcionou uma série de vantagens para a sociedade, tanto do ponto de vista pessoal quanto do profissional. Nesse universo complexo, é importante recorrer a um detetive para investigação virtual de confiança quando algo parece estar errado para obter o resultado mais completo e contundente.

imagem ampliada de uma pessoa usando um laptop em um local escuro

Veja também: Investigação particular: desvendar crimes e corrupção é uma de suas particularidades

Como se tornar um detetive particular – virtual e não virtual?

Para se tornar um detetive particular, não é obrigatório um curso superior, mas é interessante que se faça um curso específico na área.

Nos sites Central Única e Detetive Bareta é possível saber mais sobre eles. Aprende-se noções de direito criminal, varredura eletrônica, como usar fotografias nas investigações, técnicas de perseguição, como fazer relatórios.

A área de atuação é bem ampla, podendo trabalhar como funcionário de agências de detetives ou como autônomo, oferecendo serviços terceirizados para essas agências ou diretamente aos clientes.

Dá para trabalhar ainda em empresas, atuando principalmente no combate à espionagem industrial. O dia a dia é mais ligado a investigações de matéria conjugal.

Como vimos, o universo das investigações virtuais não para de crescer e a área muito tem a oferecer aos clientes. Se você tem interesse pelo mundo de detetives, pode se aventurar nele porque certamente irá encontrar terreno fértil para ter sucesso.