Compartilhe

O avanço tecnológico proporcionou mudanças na sociedade. Porém, aumentou o número de cibercrimes

O cibercrime é um crime cibernético, ou seja, aquele que acontece na internet (em forma de crime online ou crime digital). Com tantas variações, as investigações tornaram-se também mais agressivas, inclusive, com o apoio de detetives particulares.

A ação acontece visando o lucro financeiro em pouco tempo. Tanto é que os crimes não são novos, mas eles evoluíram com as oportunidades online. Partem de princípios como o do bilhete premiado, do jogo ilegal, da venda de medicamentos, roubos e assim vai.

Para entender quais são as principais atuações dos criminosos e como esses profissionais colaboram com as investigações, separamos o artigo em vários tópicos importantes, a começar pelos golpes.

Os golpes cibernéticos

Esses crimes podem acontecer em qualquer plataforma ou programa na internet, como em aplicativos de celular, redes sociais, sites falsos, softwares espiões e principalmente os famosos vírus.

Entenda que não estamos nos restringindo a falar apenas de smartphones, considerando que eles acontecem também em desktops, tablets ou qualquer outro dispositivo que esteja conectado na rede.

E, diferente do que muitas pessoas pensam, não são apenas com roubos financeiros que os criminosos agem. Existem situações tão grave quanto essa, confira algumas:

  • Bullying ou perseguição online (vamos falar disso no último tópico),
  • Falsidade ideológica e uso inadequado de fotos,
  • Roubo de informações, como senhas e contas pessoais,
  • Vírus e softwares espiões que gravam conteúdos,
  • Invasões de webcam com espionagem.

Essas ocorrências são cada vez mais comuns, mas totalmente ilegais.

A cibercriminalidade e a lei geral

Ainda que não exista uma definição universal, a cibercriminalidade é dividida em duas vertentes:

I – O cibercrime avançado (crime de alta tecnologia) é feito através de ataques sofisticados contra hardware e software.

II – Já os crimes tradicionais são feitos contra crianças ou visando cartões de créditos (financeiros) ou mesmo indicando terrorismo.

Os tradicionais têm crescido exponencialmente através das fraudes online, dos e-mails infectados e das mensagens fraudulentas.

A atuação do detetive particular

Levando em conta esses fatores, um detetive particular poderia atuar na investigação do caso auxiliando na identificação do criminoso e na recuperação dos dados. Veja também 5 técnicas de investigação infalíveis.

Como ele fará isso é que é o grande segredo – mas só sendo um detetive para saber. O que se sabe, porém, é que tudo deve começar na busca pela origem do ataque, identificando o IP do computador anfitrião que violou as informações.

Entenda que como esses crimes estão previstos em lei, os usuários afetados também devem estar sob os cuidados policiais e os detetives serão complementares ao trabalho de busca.

A atualização tecnológica do detetive particular

Com tantos recursos disponíveis na internet, ficou mais fácil para os ladrões agirem. Dessa forma, aqueles detetives particulares que querem se manter eficientes na sua atuação, terão que se atualizar também.

O cibercrime é uma das áreas de atuação que exigem essencialmente essa tecnologia. Confira também sobre o curso de detetive particular e como se tornar um investigador tipo 007!

Além de sair na busca dos IPs responsáveis, o profissional também atua na recuperação de contas, no aumento da segurança e evita que novos furtos voltem a acontecer. Além de outras ações.

E para isso, ele precisa estar atento também à forma de execução dos bandidos.

Detetives Particulares em cibercrimes

A infraestrutura tecnológica para um trabalho eficaz

Essa atualização de recursos parte de um computador, logo, quanto mais avançado e moderno ele for, mais apoio dará durante toda a fase investigativa – considere que encontrar dados na internet não é um trabalho tão simples assim.

A partir disso, o serviço começa com uma análise e o monitoramento das redes sociais, através de programas específicos. Só com essa varredura já é possível encontrar algumas provas, como conversas, e-mails e downloads.

Depois, os profissionais usam suas máquinas por todo processo, estabelecendo uma comunicação direta com seu cliente.

Com isso, e com muito treinamento, os detetives particulares conseguem informações sigilosas, sem que os suspeitos percebam algo.

Outros equipamentos usados pelos detetives

Além dos computadores modernos, para conquistar novas provas e se dar bem na profissão, um detetive particular precisa ter também algumas ferramentas tecnológicas alternativas.

Entre elas, podemos pensar em itens que vão facilitar o trabalho e o acompanhamento, como celulares modernos (smartphones), micro câmeras e escutas, objetos que captam áudios ou imagens (como canetas espiãs), programas de computador e outros.

Quando procurar um detetive particular para cibercrimes?

Sempre uma pessoa não conseguir identificar a vítima, a busca é bem vinda.

Aliás, um detetive particular pode ser procurado mesmo quando não há a confirmação de roubo ou crimes. Lembre-se que a missão dele também é evitar tais ocasiões.

Ele começará o trabalho, nesse caso, buscando formas de comprovar a existência do problema e a origem dele. Depois disso, acontece a fase da investigação mais profunda, que consiste em encontrar os responsáveis.

A recomendação é que se você está conectado por muito tempo no mundo virtual e está desconfiado de alguma ameaça, não hesite em procurar um profissional especializado antes que seja tarde demais.

Curiosidade – Saiba o que é cyberstalking

Durante todo artigo falamos que os crimes cibernéticos não estão ligados apenas a fatores financeiros, não é verdade? E, nessa parte final vamos provar muito bem isso.

O cyberstalking é um termo inglês que surgiu recentemente e quer dizer “ciberperseguição”. Ele é um crime razoável e se considera pela violência invisível.Veja também como identificar um mentiroso.

As principais características desse crime têm a ver com a perseguição eletrônica, que se destina ao assédio sexual e outras variáveis, como:

  • Constranger alguém de forma ilegal,
  • Se favorecer através de ações libidinosas,
  • Criar uma existência de superioridade ou ascendência,
  • Abusar de uma relação ou posição privilegiada em relação à vítima.

Todos esses casos são crimes e estão dispostos no Código Penal.

A ordem diz que essa perseguição tem a ver com formas genéricas, como de perturbação da tranquilidade, como descrito na Lei das Contravenções: “molestar alguém a tranquilidade, por acinte ou motivo reprovável. Pena prisão simples, de quinze dias ou dois meses ou multa”.

Dessa maneira, ainda que esteja no anonimato, nenhuma pessoa tem o direito de ofender uma vítima ou divulgar informações falsas sobre elas. Um detetive particular pode te auxiliar na busca pelos seus direitos.